Segundo governador, não existe pressão da União para decidir sobre retomada de obras até dia 30

O governador Mauro Mendes (DEM) negou que o ministro de Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, tenha estabelecido um prazo para que o Governo de Mato Grosso pudesse apresentar uma solução para a retomada das obras do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT). Em entrevista à imprensa, o chefe do Executivo fez questão de lembrar que a conclusão do modal também passa pelo crivo do Ministério Público Federal e Estadual, que travam um imbróglio jurídico com o Estado.

“Não foi dado prazo, nós queremos resolver da forma mais célere possível e com responsabilidade. Temos que levar em consideração a complexidade que é esse problema. Tem oito ações tramitando na justiça sobre o VLT, patrocinados pelo Governo do Estado, Ministério Público Estadual e Federal, temos um contrato rescindido com a construtora”, pontuou o governador, durante coletiva de imprensa realizada no Palácio Paiaguás, na última quarta-feira (9).

As declarações ocorrem em meio às tratativas entre o Governo do Estado e a União para a conclusão da obra, que deveria ser entregue há mais de cinco anos. O Executivo, inclusive, não descarta preterir o VLT ao Bus Rapid Transit, o BRT.

Mesmo diante do impasse, o chefe do Executivo garante que tem “desatado nós” para destravar a entrega do modal. Segundo ele, ainda há a intenção da administração pública em finalizar o projeto.

“É simples as pessoas ficarem por ai, como alguns ficam dizendo que quer isso ou quer aquilo sem a menor responsabilidade de querer entender o problema. Queremos fazer, mas nunca foi dado a ninguém o compromisso de fazer em tal data”, concluiu.

A obra foi iniciada em agosto de 2012 e mais de R$ 1 bilhão já foi aplicado no “novo” modal de transporte coletivo de Cuiabá e Várzea Grande. Os trilhos que guiariam o VLT nos dois municípios quase não existem, e os que já foram construídos estão se deteriorando, juntamente com os vagões que estão estacionados no Centro de Controle Operacional e Manutenção, localizado em Várzea Grande.

Parado desde dezembro de 2014, o projeto do Veículo Leve sobre Trilhos será composto por duas linhas (Aeroporto-CPA e Coxipó-Porto), com total de 22 km de trilhos e terá 40 composições, com 280 vagões. Cada composição tem capacidade para transportar até 400 passageiros, sendo 72 sentados.

A licitação previa 33 estações de embarque e desembarque e três terminais de integração, localizados nas extremidades do trecho, além de uma estação diferenciada onde também poderá ser feita a integração com ônibus.

Fonte: FolhaMax

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui